Aneurisma de Aorta

O QUE É ANEURISMA DE AORTA?

O aorta é a nossa principal artéria, emergindo do coração e levando o sangue para todo o corpo através de seus ramos. Ela é a artéria mais longa e calibrosa, atravessando o tórax e abdome e está sujeita à grande pressão. Para suportar esta pressão elevada, ela tem entre os seus componentes grande quantidade de colágeno e elastina, conferindo grande resistência elástica. Quando ocorre a degeneração destas proteínas, a artéria torna-se rígida e menos resiste à pressão, levando a sua dilatação progressiva. Quando o diâmetro de uma artéria é 50%  maior do que o valor normal, podemos dizer que existe um aneurisma.

QUAL É O RISCO DO ANEURISMA DE AORTA?

O grande risco deste aneurisma é a ruptura.

A dilatação progressiva leva ao enfraquecimento da aorta, aumentando a chance da mesma ser romper (ruptura), levando à hemorragia maciça e óbito em cerca de 80% dos casos.

Existem outros riscos, porém menos frequentes, como: desprendimento de fragmentos de coágulos (geralmente presentes nos aneurismas de aorta) que irão se alojar em outras artérias provocando isquemia, ou compressão de órgãos vizinhos.

QUAIS SÃO OS FATORES DE RISCO PARA O SUGIMENTO DESTA DOENÇA?

Os principais fatores de risco são: sexo masculino (6 vezes mais comum nos homens), raça branca, idade superior à 50 anos e presença de doenças do colágeno (principalmente a Síndrome de Marfan).

ESSA DOENÇA É MUITO COMUM?

Ela é a décima quinta causa de morte geral e décima causa de morte em homens acima de 55 anos. Ou seja, ela não é tão infrequente.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

Este é o grande problema do aneurisma de aorta. Ele geralmente é silencioso!!!

Raramente a doença se manifesta, surgindo os primeiros sintomas no momento da ruptura. Os sintomas quando presentes, são inespecíficos e irão depender da localização do aneurisma. No segmento abdominal (mais comum e representando 80% dos casos) o sintoma mais comum é a dor abdominal de forte intensidade e início súbito, geralmente localizada na região posterior, podendo estar acompanhada de sensação de pulsação (“coração batendo na barriga”). No segmento torácico o sintomas mais comum é a dor torácica, também súbita e de forte intensidade, podendo estar acompanhada de falta de ar.

Em ambos os casos o paciente pode sentir dor de forte intensidade, acompanhado de desmaio.

É fundamental procurar atendimento médico hospitalar, em caráter de emergência, caso os sintomas descritos estejam presentes.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO?

O diagnóstico pode ser suspeitado através do exame físico, no caso dos aneurismas abdominais (mais comuns), realizado por profissional médico. Os aneurismas abdominais geralmente são palpáveis, percebendo-se a presença de tumoração pulsátil.

No entanto, o diagnóstico é confirmado através da realização dos seguintes exames de imagem: EcoDoppler arterial em cores, Angiotomografia computadorizada ou Angiorressonância magnética.

Esta doença geralmente é diagnostica incidentalmente, ou seja, durante a realização de algum destes exames, porém para investigar a presença de outras doenças.

ESTA DOENÇA PARECE BEM GRAVE E SILENCIOSA. DEVO REALIZAR EXAMES PARA VERIFICAR SE TENHO ANEURISMA DE AORTA?

A realização de exames para a identificação de aneurismas de aorta abdominal está indicado em homens com história de tabagismo (fumantes) entre 65 e 75 anos de idade e para aqueles que possuem história familiar, ou seja, possuem parente com diagnóstico de aneurisma de aorta.

O exame indicado para este rastreamento é o EcoDoppler em cores, pois é indolor, inócuo, sem contra-indicações, rápido (dura cerca de 15 min) e acessível.c

COMO É O TRATAMENTO DOS ANEURISMAS DE AORTA E QUANDO ESTÁ INDICADO?

Não existe tratamento medicamentoso desta doença, porém o controle da Hipertensão arterial diminui o crescimento e a incidência de ruptura do aneurisma.

Os aneurismas não diminuem de tamanho, porém podem permanecer estáveis, sem crescimento.

Os aneurismas de aorta sintomáticos (aqueles que causam dor ou sinais de isquemia) ou com diâmetro superior a 5,5 cm no segmento abdominal e 6,0 cm no segmento torácico devem ser tratados cirurgicamente, desde que o paciente apresente condições clinicas para tal.

O tratamento pode ser realizado de duas formas:

  • Tratamento cirúrgico convencional, onde é realizado uma incisão abdominal, com abertura do aneurisma e sutura de uma prótese para reconstrução do fluxo sanguíneo.
  • Tratamento endovascular, onde é realizado duas pequenas incisões nas virilhas com implante de endoprótese por dentro do aneurisma, sem a necessidade de abertura do mesmo. Hoje com o desenvolvimento de novas próteses, alguns casos já podem ser tratados sem a necessidade de incisões, sendo realizado somente punções (pequenos furinhos) nas virilhas.

Os aneurismas sem sintomas e com menos de 5,0 cm na região abdominal e 6,0 na região torácica não são candidatos à tratamento cirúrgico, porém devem manter acompanhamento no consultório de cirurgião vascular especializado. Este acompanhamento é fundamental para monitorizar o aneurisma, realizando exames de imagem que irão determinar o comportamento do mesmo.

Como dito anteriormente, os aneurismas podem permanecer estáveis ou apresentar crescimento progressivo, demonstrando a sua tendência em romper.

COMO É O PÓS OPERATÓRIO DESTA CIRURGIA?

O pós operatório do aneurisma de aorta é realizado no CTI (centro de tratamento intensivo), devido ao grande porte desta cirurgia e necessidade de acompanhamento médico contínuo.

Na cirurgia convencional o pós operatório é um mais dolorido e arrastado do que na cirurgia endovascular, necessitando de maior tempo para recuperação.

Depois de receber alta do CTI, o paciente permanecerá alguns dias na quarto até apresentar condições de alta hospitalar.

Devido ao grande porte destas cirurgias algumas complicações podem acontecer, tais como:  sangramentos, tromboses, infecções, complicações cardiovasculares, respiratórias, renais e etc. No entanto, com a melhoria das técnicas operatórias, desenvolvimentos de materiais mais modernos, melhoria dos cuidados pós operatórios e etc.,  estas cirurgias se tornaram muito mais seguras, reduzindo drasticamente a incidência de complicações.

Após a alta hospitalar o paciente deverá manter acompanhamento médico pelo resto da vida, com a realização periódica de exames complementares. Estes exames servem para monitorizar o correto funcionamento das próteses, detectando possíveis mal funcionamentos que podem ser tratados.

POR QUE REALIZAR O TRATAMENTO DO ANEURISMA PELA TÉCNICA CIRÚRGICA CONVENCIONAL SE O PÓS OPERATÓRIO É PIOR?

Nem todos os aneurismas podem ser tratados pela técnica endovascular, devido à fatores anatômicos. Com o desenvolvimento das endopróteses, a maior parte dos aneurismas se tornaram passíveis de tratamento endovascular, porém ainda existem situações onde esta técnica não é possível.

Para orientar o paciente na escolha da técnica operatória e determinar a viabilidade de realização da mesma é necessário uma consulta ou avaliação com cirurgião vascular habilitado e treinado na realização de ambas as técnicas, pois ele conhece as vantagens e desvantagens de cada método, permitindo um tratamento individualizado para cada caso.

COMO É A ANESTESIA DESTAS CIRURGIAS?

A grande maioria dos aneurismas de aorta são operados com anestesia geral.